Tendências demográficas e a previdência brasileira

Quem: 

André Gamerman

Onde: 

Praia de Botafogo, 190 - sala 317

Quando: 

27 de Abril de 2017 às 16h

Os gastos com previdência no governo federal atingiram, em 2016, aproximadamente R$ 670 bilhões somando as previdências dos funcionários públicos (RPPS) e dos trabalhadores do setor privado (RGPS/INSS). Esse valor é 10,7% do PIB e corresponde a 54% do orçamento federal. Ambos os sistemas previdenciários (RPPS e RGPS) tem déficit relevantes. Os idosos (pessoas com mais de 65 anos) representam hoje 8,2% (16,8 milhões de pessoas) da população brasileira, o Brasil ainda é um país jovem. Países com o perfil demográfico parecidos com o brasileiro gastam, em média, 3 vezes menos que o Brasil com previdência. Hoje o Brasil tem 8 jovens (pessoas entre 15-64 anos) que potencialmente produzem e contribuem para previdência para cada idoso. De acordo com o IBGE até 2060 a proporção de idosos na economia vai mais que triplicar, serão 26,7% da população e serão 2,2 jovens para cada idoso. Esse trabalho fará uma comparação com as aposentadorias e demografias ao redor do mundo, mostrará as particularidades e o caráter regressivo e injusto da previdência brasileira, além de uma estimação da trajetória futura dos gastos com previdência com e sem reforma.

*Texto informado pelo autor. 

Palestrante: 

André Gamerman ingressou na Opus em abril de 2011 como analista de macroeconomia responsável pela cobertura de Brasil, tornando associado em janeiro de 2014. Hoje é também responsável pela cobertura da economia internacional. Antes de se juntar a Opus André trabalhou na Galanto Consultoria e na AFI (Analistas Financieros Internacionales, Madri, Espanha). André é economista formado em 2007 pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e Mestre com distinção em Economia e finanças pelo Centro de Estudios Monetarios y Financieros – CEMFI - Madri (2011).